segunda-feira, 31 de março de 2014

Dolphin Stratocaster - Made in Brazil - 1988 / 1990 (Era Assale)

#002


Nome: Dolphin
Modelo: Stratocaster
Serie: 80 / 90 (Era Assale)
Fabricação: Made in Brazil
Ano: 1988
Fabricante: Dolphin - Carlos Assale
Período de fabricação: 1988 / 1990
Madeira do corpo: Mogno
Madeira do braço: Marfim Imperial
Escala: Marfim Imperial
Número de casas: 21
Chave seletora: 3 botões

Controle: 1 Volume - 2 Tone
Cor: Preto / Black

Hardware: Captadores de cerâmico revestidos com cover do tipo "Lace Sensor"
Ponte: Vintage cromada com 6 parafusos
Tarraxas: Originais Horvath

Headstock: Dolphin Headstock
Configuração dos captadores: S/S/S
Neck Plate: O modelo original não apresenta neck plate.


Avaliação do Blog:

Braço: B-
Corpo: B-
Headstock: B+
Tocabilidade: B+
Hardware: B+
Captadores: C+
Construção: B+
Timbre: B+
Acabamento: B+
Madeiras: A-
Histórico: B+


Avaliação de Mercado:

Geralmente anunciado: R$ 800,00
Valor justo: R$ 600,00.
Barbada: R$ 300,00.












11 comentários:

  1. tenho uma GRECO SUPER SOUNDS com hardware dourado,a guitarra é linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal amigo, deve ser um ótimo instrumento! Abraços.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Esse modelo certamente tem com regulagem no tróculo Angelo. Abraços!

      Excluir
    2. Para regular o tensor tem que remover o braço. Fica no outro extremo.

      Excluir
  3. Muito bacana! Tenho uma dessas. Legal que o Assale deixou, pra diferenciar o modelo (único cujo desenho ele não criou), uma escala gibson. Acho muito boa. Coloquei um trio de emg. Achei q merecia. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Ivo, o Assale resolveu colocar nos projetos da empresa uma Stratocaster, realmente é um instrumento bem diferente de uma Strato convencional, essa escala me pareceu estranha em um primeiro momento, mas depois o cara entende que pertence ao DNA da guitarra hehe... abraços!

      Excluir
  4. Olá! Curti o blog!

    Eu reformei (transformei na verdade) uma Dolphin antiga com a construção do braço de aparência bem similar a essa.

    Mesma madeira, mesmo rebaixador, mesmo esquema de traste zero, mesmo decalque etc.
    Diferente só o formato do head e as tarraxas (abertas, em linha, numa única chapa por trás).

    Achei o braço ruim de forma geral.

    Primeiro pq tem que desmontar pra regular. Segundo pq quando fui regular, mesmo sem apertar muito o tensor quebrou.
    Com muito trabalho consegui ir retirando essa madeirinha que cobre o rasgo do tensor e quando fui o tensor era só dobrado pra ancorar na madeira do braço. Quem já tentou fazer tensor assim sabe que não funciona, não aguenta.

    Aprofundei o rasgo, coloquei um tensor duplo, fechei com uma madeirinha nova, coloquei uma porca tipo Wolfgang pra ajustar no tróculo sem desmontar e finalmente o braço ficou legal.


    O corpo era um amarelão num formato aproximado de strato, feito em duas peças de mogno de tonalidade bem diferentes e pintado com uma tinta bem grossona, sem escudo e com dois caps apenas.

    Fiz um escudo e coloquei 3 singles (depois me arrependi de matar a originalidade da guitarra).

    A combinação do marfim com o mogno e os singles é interessante. Tem som de strato, mas é menos estalada e tem mais sustain. Mas é um timbre forte, que chama atenção.

    Enfim... considerando esse lance do braço, se a construção do tensor for a mesma que citei, eu não acho que ela vale muito.

    Mas se alguém tem uma que pega regulagem sem quebrar, acho que é viável, mas ainda assim olharia com desconfiança.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é amigo, sua experiência é bastante válida. Eu também acho que o interessante dessa guitarra é o corpo em Mogno utilizado com os singles, esse timbre gordo e o sustain que o amigo citou. De resto, não indico a ninguém, principalmente em relação ao braço desse modelo, que diga-se de passagem, não lembra em nada o braço de uma Stratocaster, seja pela escala do tipo "curta" ou seja pela peculiaridade do traste "zero" ou do braço ser gordo demais e desconfortável, mas enfim, coisas de Carlos Assale. Abraços!

      Excluir
  5. William, primeiramente gostaria de congratulá-lo pelo site. É de uma excelência gigantesca e de extrema ajuda para aqueles que procuram informações sobre a nossa clássica stratocaster. Eu tenho uma dessas, fabricada em 1989. Ganhei do meu tio em 2005, após ela ficar mais de 12 anos encostada. Agora estou querendo reformá-la para usar nas minhas gravações, e essas informações de seu blog são de extrema utilidade.
    Pena que você encerrou a coluna amigo strateiro, a minha strato tem muita história, tanto com o meu tio (1989-1993) quanto comigo (2005-atualmente).
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniel, obrigado pela consideração. Em breve irei retomar com as postagens no blog, por enquanto estou apenas me limitando a responder as perguntas no campo dos comentários. Se quiseres participar da coluna Amigo Strateiro, em breve retornarei as atividades. Entre em contato pelo email: lwnk@bol.com.br

      Excluir