domingo, 2 de agosto de 2015

Amigo Strateiro: Squier Stratocaster


Olá amigos, apresento para o mês de Agosto na coluna "amigo strateiro", a primeira publicação do amigo Erich Von Farah como colaborador do blog, a participar e postar sua experiência com essa Squier coreana, além de ter a oportunidade de mostrar seu instrumento.

Conforme mencionei nas outras vezes, outras pessoas também podem usar esse espaço para compartilhar informações e experiências com seus instrumentos, nada mais legal do que somar vivências. Quer que sua Stratocaster seja postada no blog? Entre em contato conosco. A única regra é: o instrumento precisa "ser strato" e o amigo precisa "ter a strato". 

Dando continuidade nesse espaço, convido para o mês de Agosto o amigo Erich Von Farah, proprietário de uma Squier Stratocaster Made in Korea.

Nome: Erich Von Farah
Cidade: Analândia/SP
Proprietário: Squier Stratocaster
Serial Number: CN 5090872

Bom galera, meu nome é Erich e já fiz algumas participações a pedido do William, porém recentemente o mesmo me ofereceu um “cargo” aqui no blog, rsrs.

Agradeço a oportunidade e espero contribuir com o pouco que sei!

Agora chega de papo furado e vamos lá:

Especificações do modelo:

Nome: Squier
Modelo: Stratocaster
Série: -
Madeira do corpo: Laminado
Madeira do braço/escala: Maple/Rosewood
Número de casas: 21 casas
Configuração dos captadores: SSS
Captadores: Cerâmicos (não originais, porém Squier antigos)
Chave seletora: 5 posições
Controle: 1 Vol e 2 Tones
Cores: Cream
Ponte: VintageStyle – 6 parafusos
Escudo: White Aged (não original)
Knobs: Vintage aged (não originais)
Fabricação: Made in Korea
Ano: 1995
Fabricante: Fender
Serial Number: CN 5090872


Conte um pouco da sua história com o instrumento: onde, como e quando comprou.


Por ironia do destino, essa Squier pertencia ao William, que a negociou comigo por uma Giannini AE08 (que também está publicada aqui no blog).


Para você, o que representa ter uma Squier Stratocaster?

Confesso que sempre tive um certo horror às Squier, a maioria que testei sempre me soavam opacas, sem brilho, “sem sal”.. me refiro às linhas: California, Standard, Bullet e Affinity. São guitarras de qualidade mediana, que por muita sorte você por encontrar algum exemplar um pouco acima da média e que alguns upgrades se torne uma guitarra honesta.

Essa minha aversão mudou depois que peguei em mãos uma Squier Classic Vibe (stratocaster) e uma SquierVintageModified (Jaguar), são instrumentos em outro patamar, a nível de Fender MIM.
Felizmente, essa Squier Korea também me surpreendeu de maneira positiva!


Como você definiria o som desse instrumento?


Ao contrário das linhas citadas que critiquei logo acima, esse exemplar soou mais brilhante e com ataque como as clássicas Stratocasters, mantendo aquele timbre estalado e metálico inconfundível.





Qual o principal ponto forte dessa guitarra?

O braço com toda certeza é o diferencial desse modelo, é bem construído, confortável e merece um destaque.


Quais os pontos negativos dessa guitarra?

As tarraxas são de baixa qualidade; semi blindadas, com folgas e não dão um “aperto” bacana para a afinação.

Os captadores infelizmente não são originais, apesar de serem Squier..mas de certa forma equilibraram bem com a guitarra.. para um som mais blues (clean e crunch) ficaram bem legais.






Como foi o processo de customização? Pretende fazer mais algum upgrade ou mais alguma modificação na guitarra?

Como mencionei anteriormente, os captadores e escudo não são originais, consegui uns envelhecidos que casaram muito bem com o visual “amarelado e encardido” da guitarra.

Futuramente pretendo substituir os captadores por imãs de alnico e tarraxas com qualidade superior.




O que você diria as pessoas que não conhecem sobre a madeira utilizada para a confecção dos corpos das Squier CN?

Esse é o grande mistério das Squier CN, o corpo é feito de laminado! Sim, o vulgo “sanduíche”! Sinceramente isso não me incomodou em nada, pois a guitarra soa infinitamente melhor do que outras séries com corpo sólido. Esse misticismo todo sobre madeira é bem interessante, pois não é a primeira guitarra que pego com esse tipo de material no corpo e que soa muito bem.

Enfim é um bom instrumento, que não deve ser menosprezado por conta desse detalhe!

















                                                Erich Von Farah

3 comentários:

  1. Cara,,, parabéns pelas sábias palavras. É incrível como muitas vezes nos deixamos levar por rótulos e, por esse motivo, acabamos perdendo várias oportunidades de conhecermos instrumentos incríveis como essa sua Squier. Na minha humilde opinião, devemos valorizas atributos como sonoridade e conforto. Esses sim, podem dizer muito sobre o instrumento. Parabéns pelo cargo no blog! Continuem assim! Valew Strateiros de Plantão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, faço suas as minhas palavras. Abraços!

      Excluir
  2. Também sou fã das strato , tenho uma squier korea ano 95 , vendi e comprei de volta, e tbm uma tagima antiga 635 c caps scnoiseless , p mim e o melhor som , se adaptam a qualquer estilo, mto versateis

    ResponderExcluir